terça-feira, 13 de dezembro de 2016

"A arte é o espelho da pátria. O país que não preserva os seus valores culturais jamais verá a imagem de sua própria alma." - Chopin





Pintura Mural de Luis ADourdil Pintura mural 

(fragmento do 1º andar ) 50 m2 de Luis Dourdil ano de 1967.






Esta imagem  representa o estado actual do Restaurante do Panorâmico de Monsanto do abandono e da perda do Património artístico que encerrava.
"A arte é o espelho da pátria. O país que não preserva os seus valores culturais jamais verá a imagem de sua própria alma."
- Chopin




Pintura mural (fragmento) de Luis Dourdil 

Restaurante Panorâmico de Monsanto



O edifício de cerca de 7000m² foi construído a 205m de altitude, na  década de 60, da autoria do arquitecto Chaves da Costa e é ainda hoje um dos melhores miradouros alfacinhas, com uma deslumbrante vista sobre toda a Cidade.




É um edifício magnífico, tanto em termos arquitectónicos como decorativos, actualmente abandonado e degradado.


Decoraram o seu interior Manuela Madureira azulejos e Luis Dourdil pintura mural.


Pintura mural (fragmento do 1º andar ) 50 m2 de Luis Dourdil ano de 1967.
Restaurante Panorâmico do Monsanto

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Dourdil por Aniceto Carmona





"A arte é a auto-expressão lutando para ser absoluta."

Fernando Pessoa


Luís Dourdil 
Aniceto Carmona 1975
© All rights reserved
Link::--https://pt.wikipedia.org/wiki/Aniceto_Carmona

"Preciso de parar constantemente de pintar para poder proporcionar e receber as sugestões que o quadro me vai dando à medida que nele avanço" Luis Dourdil



Luis Dourdil
Óleo s/papel colecção particular
© All rights reserved



(...) Recordar, revisitar, repetir de todos os modos, qualquer forma de aceder ao pintor Luís Dourdil, é favorecer a manutenção da memória e da sua identidade plástica; é promover a continuação de estudos e as mais variadas fruições; é trazer para os grandes públicos e disponibilizar um dos artistas do século XX com obra de relevo; é sobretudo combater a finitude da condição humana, contrapondo pertinente a intemporalidade das suas composições plásticas.
E se essa intemporalidade pode de facto contrariar o esquecimento e o ostracismo, que muitas vezes apanha tão desprevenida, quanto indefesa, a obra criada, será pois na ritualização temporal que podemos contrariar esta e outras circunstâncias, num círculo contínuo de construção e reconstrução da identidade da arte e do património e do seu garante memória.
E, se admitirmos que o fundamento do tempo é essa memória, parece pois ser possível considerar que a exaltámos, cumprindo com a homenagem justa e a divulgação substantiva.

Maria Teresa Bispo 
Licenciada em História pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa; Mestre em Arte, Património e Restauro pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa; 

http://novaserie.revista.triplov.com/ana_luisa_janeira/maria_bispo/index.html

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

LUIS DOURDIL- PINTURA PORTUGUESA



" A identidade de um estilo" Luis Dourdil

Desenho de Luis Dourdil anos 30







Desenhos de Luis Dourdil anos 30

Pintura Portuguesa - Luis Dourdil

" A identidade de um estilo" Luis Dourdil


Desenho de Luis Dourdil, anos-30 "Isna de S.Carlos" Beira Baixa

(...) Figuração, abstracção, desenho e pintura foram os binómio férteis  em que se construiu a obra de Luis Dourdil.
Para tema quase exclusivo da sua obra escolheu a figura humana, com as suas formas e gestos, os seus dramas e os seus conflitos ,corpos postados num mundo real- o do trabalho, das horas deócio, e desprazer, quase sempre daquelas que vivem nas margem da sociedade (...) 
Dr. Lima de Carvalho in Exposição Homenagem a Luis Dourdil 1990

terça-feira, 8 de novembro de 2016

"Fase dos Jovens- Motards"

(...) "Pequena história que ilustra bem o carácter do pintor.
Dourdil trabalhava num atelier nos Corochéus cujos jardins envolventes, a partir de determinada altura foram palco de habilidades motorizadas diversas.
O ruído produzido era extremamente perturbador do seu trabalho,interferindo demasiado no seu silêncio peculiar.
Foi então que Dourdil interpelou esses jovens, convidando-os, inclusivamente, a visitar o seu atelier, mostrando-lhes o seu trabalho, em muitos dos quais figuravam esses mesmos jovens de jeans e capacetes em deleites fortuitos nos relvados.
Chegaram então a um acordo:quando Dourdil estivesse a trabalhar, colocava à janela um pano vermelho, sinal suficiente para que os motores se silenciassem na proximidade do atelier.
Note-se que este acordo foi honrado,para espanto de outros".(...)
Ana Isabel Ribeiro 
in Luis Dourdil O Lápis Como Instrumento Soberano Catálogo Casa da Cerca

Pintura portuguesa Luís Dourdil

"Fase dos jovens " corpos deitados na relva ao sol, esboçando delicados gestos de ternura e amor.



"Herdeiro das correntes cuboexpressionistas, mas adaptadas à sua sensibilidade, Dourdil, hóspede habitual da "Brasileira, amigo de poetas e pintores. expõe no seu próprio meio.
O tema é pois,um registo sociológico, figuras de jovens sem rosto, anónimos habitantes das ruas (...)"

Nelson Di Maggio in Artes Pásticas 13-05-86







domingo, 6 de novembro de 2016

Sá Nogueira e Luis Dourdil memórias e factos



 Sá Nogueira, Lisboa, 19 de Maio de 1921 – 18 de Novembro de 2002, foi um pintor e professor; pertence à terceira geração de artistas modernistas portugueses.  




Ilustradores da obra aquiliniana-Link:

Abel Manta, Nikias Skapinakis, Manuel Lapa, Bartolomeu Cid, Eduardo Cruzeiro, Manuel Jorge, Dórdio Gomes, João Abel, Alice Jorge, Bernardo Marques, Paulo Guilherme, Jorge de Matos Chaves, Luís Filipe de Abreu, João Hogan, António Vaz Pereira, Leal da Câmara, Augusto Sereno, Maria Keil, João da Câmara Leme, Sá Nogueira, Lima de Freitas, Guilherme Casquilho, Martins Barata, Cândido Costa Pinto, Fernando Lemos, Benjamin Rabier, Júlio Pomar, Carlos Botelho, Clementina Carneiro Moura, Luís Dourdil, Aldina Costa, Stuart Carvalhais, Taciano da Costa



100 PINTORES PORTUGUESES DO SEC. XX Edições Alfa Lisboa 1986



Luís Dourdil- Óleo s/Tela - Colecção particular.
© All rights reserved 

"Linhas sensíveis revelam o diálogo entre a mão e o olhar do pintor, na construção de um espaço que é sempre entendido através da sugestão da figura humana, em desenhos que valem por si mesmos, ou em pinturas de harmónicos valores luminosos."
Gonçalves Rui Mário em 100 PINTORES PORTUGUESES DO SEC. XX Edições Alfa Lisboa 1986

Luis Dourdil 1914-1989-O lápis como Instrumento Soberano

sexta-feira, 30 de setembro de 2016

DOURDIL IRÁ EXPOR NO MUSEU DE OVAR EM NOVEMBRO DE 2016 : CONHECER O MUSEU

"O Museu de Ovar é um tesouro para quem da cultura tenha uma concepção global”
José Saramago in viagens a Portugal





"Peixeira de Ovar" 


fotos de Antonieta Figueiredo



Professor Manuel Cleto, Director do Museu de Ovar, e o Dr. Luis Fernando Dourdil filho do pintor Dourdil.



O  Museu de Ovar foi fundado  por José Augusto de Almeida  a 8 de Janeiro de 1961.
Recentemente homenageado, foi dado o seu nome a uma "Sala de Exposições"num tributo que fez reavivar a memória, o empenho e o entusiasmo decisivo de José Augusto de Almeida na fundação do Museu de Ovar e na angariação de obras de artes de grandes artistas, ceramistas e pintores, que enriqueceram o seu valioso espólio como  nos contou o actual director Professor Manuel Cleto.



foto de Antonieta Figueiredo

Neste museu é contada a história de Ovar e das suas gentes através da riqueza da colecção de trajes regionais de Ovar e de todas as regiões de Portugal, os delicados bordados, objectos relacionados com antigos costumes e profissões, exemplos da arquitectura e interiores das casas populares compõem parte da exposição, cujo trabalho de conservação e registo é elaborado por duas dedicadas senhoras que há mais de 20 anos fazem parte desta instituição, grandes profissionais Leonor e Lurdes.



foto de Antonieta Figueiredo
Tendo como missão, recolher, estudar, conservar e divulgar o património cultural das gentes de Ovar o acervo é constituído essencialmente por objectos de arte e etnografia, que ao longo dos anos foi enriquecido através de doações de variadíssimas entidades públicas e particulares.



foto de Antonieta Figueiredo


Realçam-se, ainda, centenas de bonecas provenientes de muitos países e uma valiosa colecção de pintura e cerâmica contemporâneas.


O Museu de Ovar é uma instituição com mais de cinco décadas de existência e com uma acção directa na cultura, através de exposições, palestras, participação em eventos, divulgação de documentação, entre muitas, e diversificadas outras actividades.













Para assinalar o 55.º aniversário, o Museu de Ovar foi ao seu vasto espólio buscar uma significativa Colecção de obras do ceramista e pintor Querubim Lapa que de forma surpreendente, aos 90 anos de idade voltou a Ovar para a inauguração da exposição que reúne quase duas dezenas de obras em cerâmica, desenhos e uma pintura a óleo, “Peixeira”, recheada de simbolismo na sua relação com o Museu de Ovar.




Trabalhos dos anos 60 que proporcionaram um momento de grande emoção ao artista mal entrou na sala recheada com as suas obras e convidados que o esperavam para mais um acontecimento cultural que presenteou os 55 anos do Museu de Ovar e a sua história, a que Querubim Lapa ficou justamente ligado pelo entusiasmo e dedicação do seu fundador José Augusto, que, como recordou o artista a convite do Padre Pires Bastos, ali presente, para que este ajudasse a clarificar tal ligação, “ambos frequentava-mos o Café A Brasileira, em Lisboa”, um dia José Augusto lançou-lhe o desafio para oferecer uma obra ao Museu de Ovar que já na época tinha várias de Jorge Barradas.
Link da noticia Fevereiro 2016 ler;
http://etcetaljornal.pt/j/2016/02/museu-de-ovar-comemora-55-o-aniversario-com-obra-do-mestre-querubim-lapa/





Com um património também invejável, relacionado com pintura, fotografia, etnografia e arte africana, rico de trajes e costumes da região, contém valiosa colecção de pintura contemporânea. 

O trabalho desenvolvido pelo  actual Director do Museu Manuel Cleto, é notável e reconhecido.
Com uma invulgar sensibilidade e dedicação tem sabido conjugar exposições de artistas consagrados, ao mesmo tempo que dá oportunidade a artistas mais jovens.









O Concelho de Ovar localiza-se no Distrito de Aveiro, confrontando a Norte com o Concelho de Espinho, a nascente com os Concelhos de Santa Maria da Feira e Oliveira de Azeméis, a Sul com o Concelho de Estarreja e Murtosa e a poente com o Oceano Atlântico, ocupando uma posição privilegiada no litoral norte.


Câmara Municipal de Ovar


O seu regular desenvolvimento sócio-económico associa-se à proximidade do Mar e da Ria, à fertilidade do solo e à planura da região.



Tribunal de Ovar 



Painel em azulejo policromado ano de 1965 de Jorge Barradas, na fachada do Tribunal de Ovar.



Ovar caracteriza-se pelas casas de azulejos multicolores, na profusão de cores e 
padrões, em contraste com a singeleza das cantarias que fazem dela um museu vivo do azulejo.




"Lavrador de Ovar"

As curiosas Capelas dos Passos, a Semana Santa, a Procissão dos "Terceiros" de ricos andores e a dos Passos saindo da Igreja Matriz são testemunho de tradições religiosas.



terça-feira, 27 de setembro de 2016

DOURDIL MUSEU GULBENKIAN

"Vais crescendo, meu filho, com a difícil luz do mundo. Não foi um paraíso, que não é medida humana, o que para ti sonhei.
Só quis que a terra fosse limpa, nela pudesses respirar desperto e aprender que todo homem, todo, tem direito a sê-lo inteiramente até ao fim. Terra de sol maduro, redonda terra de cavalos e maçãs, terra generosa, agora atormentada no próprio coração; terra onde teu pai e tua mãe amaram para que fosses o pulsar da vida, tornada inferno vivo onde nos vão encurralando o medo, a ambição, a estupidez, se não for demência apenas a razão; terra inocente, terra atraiçoada, em que nem sequer é já possível pousar num rio os olhos de alegria, e partilhar o pão, ou a palavra; terra onde o ódio a tanta e tão vil besta fardada é tudo o que nos resta; abutres e chacais que do saber fizeram comércio tão contrário à natureza que só crimes e crimes e crimes pariam.

Que faremos nós, filho, para que a vida seja mais que a cegueira e cobardia?"

Eugénio de Andrade


Luís Dourdil Museus
Ano: 1979
Museu Calouste Gulbenkian
Tipo: Pintura a óleo sobre tela
Dimensões: 
© All rights reserved
CAMJAP - Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão
 ___________________    *   *   *       ____________________

" Sim – digo-te, pousando as mãos nos teus joelhos: - Desejo encontrar alguém que
me ame com bondade, e saiba ler.
-Alguém que queira ressuscitar para ti?
- Sim, alguém que tenha para comigo essa memória.
Alguém que deixe espaços entre as palavras para evitar que a última se agarre à
próxima que vou escrever
Alguém que admita que a cartografia dos animais e da pontuação não está ainda
estabelecida
Alguém que eu possa ler diferentemente depois de me ler
Alguém que dirá aos animais e às plantas que nem sempre serão servos
Alguém que ao nos amarmos se reconheça de matéria estelar"

Maria Gabriela Llansol

Luís Dourdill  Museus
Fundação Calouste Gulbenkian 
Ano: 1974
Tipo: Pintura a óleo sobre tela

© All rights reserved
CAMJAP - Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão- 




Luís Dourdil Museus
Ano: 1974
Museu Calouste Gulbenkian
Tipo: Pintura a óleo sobre tela
© All rights reserved

CAMJAP - Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão

12 obras do pintor  em acervo

© All rights reserved
http://cam.gulbenkian.pt/CAM/pt/Colecao/Autores

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

"A ARTE ; O ÚNICO LUGAR DA NOSSA REDENÇÃO" VERGÍLIO FERREIRA





Atelier de Luis Dourdil


" A arte deve unir todo o conhecimento,é certo,a um trabalho criador que defina o estilo do artista e a sua personalidade
É isto que tem feito Luís Dourdil, unir todo o seu conhecimento técnico e outros, a uma criatividade em que todo o seu íntimo deseja encontrar uma dimensão própria, sem excluir toda uma tradição cultural objectiva,adiantada às experiências de vanguarda, como se pode bem analisar nesta sua excelente exposição"

Mário de Oliveira in O País 13 de Maio de 1982


" Fase dos Jovens "



(...) Durante os anos cinquenta ,os artistas modernos portugueses concentravam a sua meditação no confronto de duas concepções pictóricas: a figurativa e a abstracta
Havia os radicais ,a favor de uma ou outra concepção, e havia os que procuravam sínteses.
A novidade estava na arte abstracta.
Mas os mais velhos e os mais informados não podiam esquecer que os pintores naturalistas eram bastante mais dotados e que o Naturalismo permanecia no gosto dominante da sociedade portuguesa.
A vontade de aproveitar o máximo de ambas as concepções,figurativa e abstracta acompanhava a vontade de aproveitar o máximo de todas as artes.

Luís Dourdil foi realizando, lentamente, com segurança uma obra de grande unidade estilística,passando de um realismo minucioso de "Homens de Fogo"(1942) a uma figuração abstractizante.

Rui Mário Gonçalves

" Fase dos Jovens "



domingo, 18 de setembro de 2016

José-Augusto França in A História da Arte em Portugal no Século XX 1911-1961




"O marco inicial do Modernismo em Portugal foi a publicação da revista Orpheu, em1915, influenciada pelas grandes correntes estéticas europeias, como o Futurismo, o Expressionismo, etc., reunindo Fernando Pessoa, Mário de Sá Carneiro e Almada Negreiros, entre outros.

I Geração de Paris -fonte  https://pt.wikipedia.org/wiki/Modernismo_em_Portugal
Ocorreu com o regresso à pátria de artistas como Dórdio Gomes e Santa-Rita Pintor. Seguiram-se os do 2º grupo modernista (cerca de 1914). Este segundo grupo era constituído pelos artistas que regressaram de Paris com a eclosão da Grande Guerra (Diogo de Macedo, Eduardo Viana, Amadeo de Souza-Cardoso). Estiveram ligados à geração d’Orpheu.

Até à morte de Santa-Rita Pintor e de Amadeo de Souza-Cardoso (vítimas da pneumonia em 1918), a renovação da pintura portuguesa centrou-se nestes artistas e ainda nos grupos ligados ao Orpheu. O mais notável representante desta geração foi Amadeo de Souza-Cardoso, que, inicialmente influenciado por Cézanne, evoluiu para um cubismo misturado com todas as tendências com que contactou.
II Geração de Paris
Foi constituída pelos artistas portugueses que regressaram a Paris depois da guerra (devido à ausência de público em Portugal), nos anos 20, e em que se destacaram Dórdio Gomes, Abel Manta, Mário Eloy, Diogo de Macedo, os irmãos Franco e Almada Negreiros, entre outros.
https://pt.wikipedia.org/wiki/Almada_Negreiros
Fizeram diversas exposições divulgando a nova estética internacional. A arte foi muito prejudicada a partir de 1935 com as limitações impostas pela censura e pelo Secretariado de Propaganda Nacional, que organizava as mostras, promovia os artistas, impunha temas e estética e levou ao exílio de muitos. As décadas de 1930 e 1940 foram marcadas pela propaganda do regime salazarista com a Exposição do Mundo Português. António Ferro, homem do governo de Salazar mas inteligente e moderno, chamou diversos artistas para o trabalho com o Estado na preparação da Exposição (1940) que envolveu diversos projectos arquitectónicos e artísticos e desenvolveu um estilo de cariz nacionalista.

A partir dos anos 30 destacou-se Maria Helena Vieira da Silva________________________link
https://pt.wikipedia.org/wiki/Maria_Helena_Vieira_da_Silva pintora radicada em Paris que se tornou um dos expoentes do abstraccionismo. Ali realizou a sua primeira exposição individual (A Rua à Noite; Atelier, Lisbonne e A Guerra). Embora tenha sido pouco reconhecida em Portugal e a sua arte tivesse estado mais ligada aos movimento internacionais que ao movimento artístico português, não deixou de reflectir nas suas telas, num quadriculado que evocou os azulejos portugueses, as referências ao seu país."
fonte Link________________________________ 
https://pt.wikipedia.org/wiki/Modernismo_em_Portugal
A «Primeira Geração»
os Pintores, Soares e Barradas, Dordio, Manta, Franco, Diogo Canto da Maia, Emmerico Nunes. Stuart Carvalhais. Dordio Gomes e Abel Manta. Manuel Bentese Francisco Smith. Armando de Bastos e Manuel Jardim. Mily Possoy. António Carneiro. Sousa Lopes, Joaquim Lopes. Henrique Franco, Francisco Franco, Diogo de Macedo, Delfim Maya, Maximiniano Alves e António de Azevedo.”
José-Augusto França in A História da Arte em Portugal no Século XX 1911-1961
Bendito seja o fruto do teu ventre, 1922
 Canto da Maia







Auto-retrato, c. 1939,
Abel Manta






Dórdio Gomes auto-retrato



Capa de revista Stuart de Carvalhais





“A «Segunda Geração»: 

 Pintores, Eloy, Júlio Alvarez, Botelho Bernardo Marques. Sara Afonso. Ofélia Marques. José Tagarro. Lino António. Augusto Gomes. Tomás de Melo –Tom. Estrela Faria, Magalhães Filho,Manuel Lapa e Frederico George Luís Dourdil 
Luciano Santos. Maria Keil, Martins Correia ,Guilherme Camarinha e a tapeçaria. António Lino e o mosaico. Paulo Ferreira. Júlio Santos. Guilherme Filipe, Carlos Carneiro, Eduardo Malta e outros. João 
Carlos. Roberto Nobre. Arlindo Vicente. José de Lemos. Hansi Staël e os estrangeiros.
José-Augusto França in A História da Arte em Portugal no Século XX 1911-1961



Herdeiro das correntes cuboexpressionistas, Luis Dourdil adaptou-as à sua obra aproveitando as lições de Villon no que respeita à arquitectura do espaço, na atenção às verticais, nos planos frontais onde se insere a figura humana mas conferindo-lhe uma sensibilidade que resulta num jogo subtil de transparências definidor de espaços, servindo, simultaneamente, uma pessoal procura de luminosidades.

Escultura de Martins Correia sobre parede de cerâmica de Jorge Barradas

A «Terceira Geração»: Figurativos e Abstractos. Definição da «Terceira
Geração». 










Os pintores figurativos: Júlio Resende, João Hogan, Sá
Nogueira,Nikias Skapinakis, Alice Jorge e José Júlio. 




                               Nikias Skapinakis


Escolares do Porto e de Lisboa. Desenhadores e gráficos: João Abel Manta e Sebastião Rodrigues. 
Os abstractos: precursores e acolhimento crítico. Nas «Exposições Independentes» e
nas exposições surrealistas de 1949 a 1952. A exposição de Edgar Pillet, 1953.
Salão de Arte Abstracta, 1954. Críticas e Polémicas. Fernando Lanhas. Nadir
Afonso. Jorge de Oliveira e Joaquim Rodrigo. Vespeira, Fernando de Azevedo e
Fernando Lemos. Artur Bual e D’Assumpção. António Areal e outros. 
Manuel Trindade D’Assumpção 1926 - 1969 obra de 1958




O grupo«KWY» em Paris e a sua exposição em Lisboa, 1960.
A nova figuração, em 1961:
Joaquim Rodrigo e Paula Rego. Os escultores: Lagoa 
Henriques e Gustavo
Bastos. Vasco P. da Conceição. Arlindo Rocha. 
Aureliano Lima e outros. João
Cutileiro. Jorge Vieira. Manuel Cargaleiro e os 
ceramistas.


José-Augusto França in A História da Arte em Portugal no Século XX 1911-1961

José- Augusto França
Ficcionista, ensaísta e crítico de arte, nascido em 1922, em Tomar, diplomado pela École d'Hautes Études de Paris e doutorado pela Sorbonne, é membro de academias de artes e cultura em Portugal e em França. Dedicando-se especialmente à investigação e ao ensaísmo, dirigiu o Departamento de História de Arte da Universidade Nova de Lisboa. Foi presidente do ex-Instituto de Cultura e Língua Portuguesa e da Academia de Belas-Artes e diretor do Centro Cultural Calouste Gulbenkian, em Paris. 
Fonte infopédia 
Enquanto teórico e divulgador, pertenceu ao Grupo Surrealista de Lisboa, de que fizeram parte, entre outros, Mário Cesariny de Vasconcelos e Alexandre O'Neill. Colaborou, com artigos de crítica de arte e cinema, em inúmeras revistas e jornais literários portugueses e estrangeiros, destacando-se, no último caso: Art d'Aujourd'hui e Cahiers du Cinema e foi diretor de Unicórnio e codiretor de Cadernos do Meio-Dia. 
Destacam-se na sua obra: Natureza Morta, Despedida Breve (ficção); Azazel (teatro); e no ensaio: Charles Chaplin, o "Self Made Myth", Almada Negreiros, o Mestre sem Obra, O Romantismo em Portugal e O Modernismo na Arte Portuguesa.